Avançar para o conteúdo

Dia Mundial da Dor

Sabia que a auto-medicação é um dos mais graves problemas de saúde pública em Portugal?

Deve consultar o seu médico sempre que sentir mal-estar e dores, sendo sempre esta a pessoa mais indicada, habilitada e segura para ajudar em caso de problemas de saúde.

A auto-medicação caracteriza-se pela ingestão de substâncias medicamentosas sem a devida prescrição e sem o acompanhamento por parte de um profissional qualificado.
Acontece quando uma pessoa decide tratar-se através do seu conhecimento pessoal, podendo recorrer a conhecimentos de familiares ou amigos, assim como a crenças populares.

Estes comportamentos podem ser perigosos e letais, tanto para a própria pessoa como para os seus familiares, incluindo os filhos por exemplo.

No Dia Mundial da Dor alertamos para este grave problema, e aconselhamos a consultar um médico de forma a receber o melhor apoio e aconselhamento possíveis.

Consulte o seu especialista de Clínica Geral na Vidamed – Cuidamos de si e da sua família.

Marque já a sua consulta:

Dra. Mónica Dorotea

Médica especialista em Medicina Geral e Familiar com experiência em diversas áreas, nomeadamente consulta de saúde de adultos, diabetes, planeamento familiar, saúde materna e saúde infantil.

Tenho uma visão holística do ser humano e em consulta procuro integrar todos os aspectos físicos e psíquicos que influenciam a saúde dos meus utentes e suas famílias.

Dr. Miguel Miranda

Médico de Clínica Geral com mestrado integrado em Medicina pela Universidad Alfonso X “El Sabio” de Madrid.
Experiência profissional na área da clínica geral tanto em meio domiciliar como hospitalar ou centro de saúde.
Marca presença em várias formações que juntamente à experiência profissional adquirida dão as garantias de uma medicina atualizada e personalizada.

Ricardo Fonseca

Enf. Ricardo Fonseca

Enfermeiro, mestre em cuidados paliativos

Licenciado em Enfermagem, desde 2006.
Experiência de 16 anos a cuidar de crianças e das suas famílias, em vários contextos de saúde quer a nível hospitalar (enfermaria de crianças com doença aguda e/ou crónica; consulta externa, hospital de dia, urgência pediátrica) quer a nível de cuidados de saúde primários (vacinação, consulta de saúde infantil).
Além de várias formações na área da enfermagem pediátrica, é mestre em cuidados paliativos, onde estudou a potencialidade das cartas terapêuticas escritas por enfermeiros para promover a esperança dos pais de crianças com doença crónica, sendo que a escrita é também a sua paixão.